Saiba Como Fazer E Conheça Os Privilégios Da Ginástica Para o Cérebro

Como Distinguir Se Está Recebendo Um ótimo Coaching

Em “A Arte de Ter Razão”, Schopenhauer traçou 38 estratagemas pra vencer qualquer conversa, ainda que se está incorreto. Nelas descreve estratégias pra proteger suas crenças, ridicularizar seus rivais e manipular as pessoas. Descobri na net esse ótimo resumo dos trinta e oito estratagemas. Conheça-os pra se cuidar daqueles que fazem uso deles. Nº 1. Suave a proposição do teu adversário além dos seus limites naturais; exagere-a.

Advertisement

Quanto mais geral a declaração do teu oponente se torna, mais objeções você poderá descobrir contra ela. Quanto mais restritas as suas próprias proposições permanecem, menos difíceis elas são de defender. Nº 2. Use significados diferentes das palavras do teu oponente para negar a argumentação dele. Exemplo: a pessoa A diz: “Você não entende os mistérios da filosofia de Kant”.

A pessoa B replica: “Ah, se é de mistérios que estamos descrevendo, não possuo como participar dessa conversa”. Nº 3. Ignore Como Os Colegas De Serviço Enxergam Você? do teu oponente, destinada a mencionar-se a alguma coisa em particular. Em vez de disso, compreenda-a num significado muito diverso, e logo depois refute-a. Ataque algo diferenciado do que foi dito. Nº 4. Oculte a tua conclusão do seu oponente até o último instante.

Advertisement

Semeie suas premissas neste local e ali durante a discussão. Faça com que o seu adversário concorde com elas em nenhuma ordem determinada. Por essa rota oblíqua você oculta o seu objetivo até que tenha obtido do oponente todas as admissões necessárias pra atingir o seu propósito. Nº 5. Use as crenças do teu adversário O Exercício E A Saúde Mental . Se o seu adversário recusa-se a aceitar as tuas premissas, use as próprias premissas dele em seu favor. Por exemplo, se o seu inimigo é afiliado de uma organização ou seita religiosa a que você não pertence, você podes utilizar as críticas declaradas nesse grupo contra o inimigo. CNPJ 12.879.361/0001-trinta e nove I.E /p>

Nº 6. Deixe a charada perturbada mudando as palavras do seu inimigo ou aquilo que ele está procurando provar. Chame uma coisa por um nome distinto: diga “boa reputação” em vez de “honra”, “virtude” ao invés “virgindade”, “animais de sangue quente” ao invés “vertebrados”. Nº 7. Declare a sua proposição e demonstre a verdade dela fazendo ao oponente uma longa lista de questões.

Advertisement

Fazendo diversas dúvidas abrangentes ao mesmo tempo, você podes ocultar aquilo que está tentando fazer com que o teu adversário admita. Você logo em seguida progride o argumento a partir de uma admissão do oponente. Nº 8. Deixe o teu oponente furioso. Alguém enfurecida é menos apto de utilizar o seu julgamento ou de perceber onde residem as tuas vantagens. Nº 9. Use as respostas que o teu inimigo dá à sua pergunta de forma a atingir conclusões diferentes ou opostas.

Nº 10. Se o seu inimigo responde a todas as tuas questões negativamente e recusa-se a ceder em qualquer ponto, peça que ele concorde com a versão oposta das tuas premissas. Isso pode talvez confundir o teu adversário quanto ao ponto em específico a respeito do qual você está tentando fazer com que ele ceda. Nº 11. Se o teu inimigo admite a verdade de umas de suas premissas, abstenha-se de solicitar que ele concorde com a sua conclusão.

Advertisement

Mais tarde introduza suas conclusões pela discussão como coisa resolvida ou admitida por ele. O seu adversário e outros na assistência poderão ser levados a confiar que foi de fato com a sua conclusão que ele concordou. Nº 12. Se o pretexto move-se para o terreno de idéias gerais que não têm nomes particulares, você precisa utilizar uma linguagem ou metáfora que seja favorável à sua proposição.

  • Tente, a toda a hora que possível, começar as sentenças em primeira pessoa do diferente (Eu)
  • 233 - Prazeroso mesmo é chorar de em tal grau rir
  • Modo ORGANIZACIONAL
  • 649 Sou a Estrela que Ilumina o seu Céu

Modelo: O que alguém imparcial chamaria de “fé pessoal” ou “opção religiosa” é dito pelo seu partidário como “santidade” ou “devoção”, e pelo teu inimigo como “preconceito” ou “superstição”. Nº 13. A fim de fazer com que o seu inimigo aceite a sua proposição, apresente bem como uma contra-proposição oposta.

Advertisement

Se o contraste for acentuado, seu adversário acabará aceitando a tua proposição para evitar parecer controverso. Exemplo: Se você quer que ele admita que um fedelho necessita fazer definitivamente cada coisa que o teu pai manda que ele faça, pergunte se o teu oponente acredita que “devemos em tudo desobedecer aos nossos pais”. É como colocar o cinza ao lado do preto e chamá-lo de branco, ou botar o cinza perto do branco e chamá-lo de preto. Nº 14. Tente lograr o teu inimigo.

Share This Story

Get our newsletter